Página atual:Português > Entretenimento > Cinemania >

Chineses descobrem um Brasil diferente no filme brasileiro “Arábia”

2018-04-24 15:13:21

Chineses descobrem um Brasil diferente no filme brasileiro “Arábia”

O 8º Festival Internacional do Filme de Beijing (FIFB) está sendo realizado entre os dias 15 e 22 na capital chinesa. O único filme brasileiro que integra a Exposição de Filmes em Beijing, sessão importante do FIFB, se chama “Arábia”, e foi dirigido por Affonso Uchôa e João Dumans. O filme foi exibido no dia 20 de abril no Cinema de Jackie Chan em Wukesong, bairro da zona oeste de Beijing. O filme mostra a vida de um trabalhador brasileiro, refletindo o lado humano de um país em desenvolvimento.

Os filmes brasileiros são pouco conhecidos na China. Os mais conhecidos entre o público chinês são os filmes “Tropa de Elite” e “Cidade de Deus”. Dessa forma, um filme que retrata a vida de um trabalhador brasileiro comum chamou a atenção de muitos espectadores chineses, e vários deles ficaram comovidos por “Arábia”:

“O fim me deixou em choque. Porque a história rodou e ao fim, fez pensar sobre o significado da vida, do trabalho, da industrialização e até da proteção do meio ambiente” disse Qi Chang, estudante do Conservatório Central de Música.

“Espero poder assistir mais filmes como ‘Arábia', que descreve as experiências das pessoas de classe baixa” disse Wu Hongyi, profissional cinematográfico.

“O filme me comoveu e deu uma sensação que na nossa vida, existem muitos momentos em que queremos lutar contra a realidade, mas falhamos devido a muitos fatores. A vida parece um círculo, e às vezes queremos sair dele, mas não conseguimos” disse Rita Ning, estudante da Universidade dos Estudos Estrangeiros de Pequim.

Chineses descobrem um Brasil diferente no filme brasileiro “Arábia”

Chineses descobrem um Brasil diferente no filme brasileiro “Arábia”

O feedback do público chinês comprova a força das histórias dos pequenos papéis dentro da sociedade. A intenção dos diretores é oferecer um contraponto às grandes teses, nos aproximando do lado humano da desigualdade e da máquina de produção de precariedades que nos cerca e restringe as nossas vidas. O diretor João Dumans afirmou que o processo de produção nos últimos 3 anos foi bastante gratificante, e eles querem expressar o que os trabalhadores estão pensando.

“Achamos que o nosso filme tem muita coisa em comum com a situação do mundo contemporâneo, na medida em que o filme nos leva a pensar e refletir sobre a função do trabalho nas nossas vidas. Queremos transmitir através desse filme a grandeza da vida dos trabalhadores, a grandeza dessa luta cotidiana, que tenta sobreviver, mas ao mesmo tempo, a beleza dos momentos de prazer, os encontros e a beleza das pessoas que a gente vai encontrar ao longo da nossa vida.”

Diferente da maioria dos filmes brasileiros que os chineses conhecem, o “Arábia” não tem praia, carnaval, futebol, nem outros símbolos que os chineses esperam que os filmes brasileiros apresentem. O local da narrativa do filme é o interior do estado de Minas Gerais, terra natal e onde vivem os diretores. Através do filme, os chineses podem conhecer um outro aspecto do Brasil.

Páginas sugeridas



Top 10 MúsicasColetâneaMaisMais

  • TOP10 China
  • “This is Hyony” de Lee Jung-hyun

Vídeo

Either scripts and active content are not permitted to run or Adobe Flash Player version 11.4.0 or greater is not installed.

Get Adobe Flash Player
Lenine Cabral, antigo morador da cidade de Nanjing

China.com mais perto de você