Página atual:Português > Tema >

China quer se tornar uma potência científica mundial até meados deste século

2018-02-12 18:44:23

O governo chinês lançou há alguns dias um documento que reforça integralmente a pesquisa científica básica. Funcionários do Ministério da Ciência e Tecnologia afirmaram, neste domingo (11) em Beijing, que a China pretende fortalecer a pesquisa científica básica através da inovação institucional. O objetivo é tornar o país uma potência científica mundial até meados deste século.

O diretor do Departamento de Pesquisa Básica do Ministério da Ciência e Tecnologia, Ye Yujiang, apresentou os êxitos da China nesta área durante uma coletiva de imprensa do Gabinete de Informações do Conselho de Estado.

“Segundo os dados do Ministério da Ciência e Tecnologia, a China está no segundo lugar mundial em número anual de teses científicas. Nos últimos anos, o país fez grandes conquistas em áreas como supercondutor à base de ferro, informação quântica, neutino, nano, ciência espacial, células-tronco, entre outras. Em janeiro, os cientistas chineses foram os primeiros do mundo a realizar o clone de um macaco usando células somáticas, exercendo influência internacional.”

A pesquisa chinesa de ciências básicas já engloba disciplinas completas. No entanto, ainda existem problemas como a falta de grandes realizações originais, escassez de talentos e boas equipes de pesquisa, investimento insuficiente e estrutura irracional, entre outros.

Ye Yujiang apresentou os trabalhos prioritários no futuro, que foram definidos no documento do governo.

“Em primeiro lugar, vamos inovar os mecanismos e sistemas para que os pesquisadores se concentrem nas pesquisas básicas de longo prazo. Em segundo lugar, temos que reforçar a disposição sistemática da pesquisa científica. Temos que prestar maior atenção à matemática, física e outras disciplinas básicas. É necessário criar bases de pesquisa de alto nível. E por fim, o investimento em pesquisa deve ser estável e se deve reforçar a diversificação do investimento.”

Segundo o documento, a China deve aumentar significativamente a sua influência internacional na pesquisa científica já em 2020. E até meados deste século, o país deve se tornar um dos principais centros científicos e de inovação no mundo.

Ao explicar o documento, os funcionários chineses responderam também às dúvidas relacionadas à integridade acadêmica. Huang Wei, vice-ministro da Ciência e Tecnologia, revelou que foi criada uma reunião conjunta, composta por mais de 20 orgãos do governo chinês, para averiguar condutas desonestas. Além disso, será melhorado o sistema de crédito acadêmico.

“Vamos reforçar a informatização sobre a integridade acadêmica. Qualquer fraude acadêmica será detectada e investigada no sistema. Vamos também reforçar a avaliação. Quando encontrarmos melhores métodos de avaliação para os resultados da pesquisa científica, resolveremos este problema.”




Páginas sugeridas



Top 10 MúsicasColetâneaMaisMais

  • TOP10 China
  • “This is Hyony” de Lee Jung-hyun

Vídeo

Either scripts and active content are not permitted to run or Adobe Flash Player version 11.4.0 or greater is not installed.

Get Adobe Flash Player
Dandan

China.com mais perto de você